Would you kindly click here? (Bioshock)

1 year ago by in Informação Inútil Tagged: ,

Olá exploradores das profundidades e dos céus, bem-vindos ao Informação Inútil. Hoje vou falar de um jogo que para mim foi um divisor de águas: Bioshock (o #1). O jogo é de 2007, então falarei livremente sobre alguns spoilers.

Quando eu comecei a jogar, nada sabia sobre a história envolvendo o jogo (e seu “antecessor” System Shock 2) e muito menos da história que você joga. Importante ressaltar o contexto em que joguei: estava ainda empolgado e animado com o Fallout New Vegas (bem triste com o Fallout 3 e sonhando com um possível Fallout 4). Na época, o meu hype com Skyrim estava baixando, já estava cansando de Boardlands 2 e estava atrás de um jogo novo que fosse tão bom quanto (em termos de historia). Então, no dia 22 de julho de 2014 eu comprei o Bioshock 1 e 2 (não, não lembro de cabeça, vi no meu steam).

(Analisando meu histórico de compras na steam, 2014 foi um ótimo ano. E sim, eu geralmente não compro jogos no lançamento). Um outro ponto importante a ser ressaltado: eu adorei a serie Lost (tirando o final, que foi decepcionante).

Imagem 1Com todos os panos na mesa, fui jogar Bioshock. No começo foi tudo muito rápido, a cena inicial passou despercebida e logo estava eu no mar, cercado dos destroços do avião (Lost alert) e encontro um Farol, único lugar possível para ir.

Chego no farol, coisa e tal, tal e coisa… Exploro tudo, “uso” tudo que parece ser usável e lá pelas tantas, entro em uma cabine e…. Para mim foi um puta susto, não estava preparado para isso. Sério, eu estava indo para uma cidade subterrânea.

Eu fiquei atônito, porque não imagina algo assim, uma cidade toda construída no fundo do mar. As cenas da viagem são belíssimas e o passeio vai até o famoso “Would you kindly”, momento em que “começa” o jogo.

Nesse momento Lost, Fallouts, Skyrim, Boardlands, e mil outros mais saíram da minha cabeça. Eu só queria conhecer e explorar aquela cidade que ativou a criança amante de ficção científica que existe dentro de mim.

Eu só queria morar em Rapture (tá! Até quando eu descobri as merdas… Me contentaria em apenas visitar). Pequeno vídeo que achei da internet dos momentos iniciais:

 

A estrutura do jogo é muito bem feita, utilizando muito bem o equilíbrio entre o uso de armas de fogo e “magias” (conhecido também como plasmids). E a história, bem, ela tem os mais diversos elementos: de ação ao suspense, com uma pitada de terror, entrando nos temas de “politica”, ética e muitas surpresas. O jogo é muito bem bolado! O “Would you kindly” é tão sutil que você não percebe, e, assim que você (o jogador) e o Jack (o protagonista) percebem o que isso significa, ambos tomam um tapa gigantesco na cara. imagem 2E não é somente esse elemento sutil, são diversos outros mais. Este é um dos motivos que adorei o jogo.

É tudo uma cortina de fumaça, que te manipula a fazer o que eles (produtores e personagens do jogo) querem e você faz, feliz e manipulado. Quando você finalmente percebe, sua reação e a do Jack são as mesmas: a raiva, a indignação, o “vou fazer diferente”, e juntos, vocês caminham contra essa tirania.

Sério, Bioshock é um dos poucos jogos que vi até hoje que consegue te envolver de tal maneira, que você está quase literalmente morando dentro dele. Se você já jogou, jogue de novo, se ainda não jogou, jogue. E para finalizar, would you kindly coment on this text?

bioshock bonus 1

bioshock bonus 3

Bonus round 1

Ética: dentro do Bioshock você deve fazer algumas escolhas difíceis, e a pior delas é: salvar as menininhas ou matá-las? Escolhendo matá-las você ganha mais recursos. Mas, você é capaz?

Comente abaixo se você salvou ou harvested as Little girls.

Bonus round 2

Não gostei muito do Bioshock 2, porém foi interessante porque ele me deu uma sensação de encerramento que o #1 falhou levemente.

Bonus Round 3

Existe um livro chamado Bioshock Rapture, escrito por John Shirley que já foi traduzido para o português. Ele conta toda a saga da ideologia a execução de Rapture e termina momentos antes de começar o jogo. Para quem gostou do jogo, essa é uma leitura obrigatória.

Bonus Round 4

Bioshock Infinite: esse jogo ultrapassou todas as barreiras de limite da ficção científica, do envolvimento do jogador, do conceito de manipulação sutil e muitas outras mais. O jogo é tão bom, que ele merece um Enerdicast quádruplo próprio. Já manifestei minha vontade de  falar dele para o Nestablo, há mais ou menos 1 ano atrás. Quem sabe um dia…

bioshock bonus 4

Formado pela escola da vida em assuntos Nerds, em geral, e trabalha como produtor de eventos culturais. Já passou pela área de Direito e hoje percebe que fazer tudo errado é mais legal.

  • Published: 7 posts
%d blogueiros gostam disto: